quinta-feira, 15 de junho de 2017

INDIGNADOS COM A PROPOSTA DE 0% DE REAJUSTE APRESENTADA PELO PREFEITO RUI PALMEIRA, GUARDAS MUNICIPAIS DECIDEM ADOTAR “OPERAÇÃO-MODELO”

DEMAIS SERVIDORES MUNICIPAIS DELIBERARAM PELO ESTADO DE GREVE E PODERÃO PARALISAR ATIVIDADES POR TEMPO INDETERMINADO

Na bronca com o prefeito Rui Palmeira, o qual teria anunciado aos sindicatos reajuste de 0% para esse ano, Guardas Municipais decidiram, por unanimidade, durante assembleia geral da categoria realizada na manhã desta quarta-feira (13/06), adotar a chamada “Operação-Modelo”. Tal aprovado se deu por conta da decisão do STF que proibiu os GMs de fazerem greve por serem profissionais da segurança pública.  

“Operação-Modelo”. Na prática, os serviços prestados pelos Guardas Municipais ao poder público municipal e a população vão ser reduzidos drasticamente.

Um dirigente sindical explicou que, tal medida não vai de encontro à legislação em virtude de a categoria se encontrar desempenhando a atividade profissional em desacordo com as leis que obrigam a prefeitura a disponibilizar condições dignas de trabalho.

De acordo com as medidas aprovadas, as entidades de classe realizaram panfletagem mobilizando a categoria e explicando como transcorrerá essa “Operação Modelo”. Nesse mesmo período a população também será informada das motivações do protesto.

Durante a assembleia também foram prestados esclarecimentos sobre as negociações realizadas com o governo municipal. Sobre a decisão da prefeitura de realizar reformas na Previdência dos Servidores, no Plano de Cargos e Carreira, no Estatuto Geral, e ainda sobre a possibilidade de acabar com o anuênio.  

Durante os debates GMs pediram ao sindicato garantias para que o movimento unificado de luta dos Servidores transcorresse conjuntamente com as demais entidades até o final das negociações, já que no ano passado, após meses de protestos, os sindicatos se dividiram em assembleias especificas no momento de aprovar a proposta feita pelo governo, medida que gerou críticas e insatisfação entre algumas categorias.

Também foi proposto ao Sindicato que o movimento unificado adotasse uma política de incomodação junto ao chefe do executivo municipal, com a realização de protestos em eventos aonde o prefeito se faça presente.   

Se decidiu também apoiar a paralisação dos demais servidores e a participação da categoria nos atos de protesto. Ficou decidido ainda entrar com recurso junto ao judiciário a fim de obter posição sobre a adesão da categoria ao movimento grevista.

O presidente do Sindicato, Carlos Antônio (Pisca), afirmou que a entidade irá identificar os locais de trabalho que não oferecem condições e que iria denunciar tal descaso  aos órgãos competentes.

Após a assembleia, os Guardas Municipais se dirigiram até a Praça Deodoro onde se juntaram aos Servidores Municipais e saíram em caminhada até a Secretária Municipal de Administração.

Uma nova assembleia geral dos Guardas Municipais ficou agendada para a próxima quarta-feira (21/06), no local e hora a ser divulgado nos próximos dias pelo Sindicato.
GM NOTÍCIA-AL

Um comentário:

Anônimo disse...

Aquele que não vê com sabedoria a autenticidade desse movimento sindical, está na iminência de ser bucha de canhão. Kd aqueles movimentos de outrora, onde a resistência era incessante.Lamentável a gente ter essa gente para nos representar.